quarta-feira, 31 de março de 2010

“Castas e Pratos”

Na companhia de Emílio Leal e Daniela Sousa, enfermeiros no Hospital de Santo Espírito (Angra do Heroísmo), esteve em território “Da Resistência” Ivan Leal, Chefe de Cozinha no conceituado restaurante “Casta e Pratos”, em Pêso da Régua.
Entre uma variada lista, Ivan Leal recomendou-nos, numa próxima visita aquela região duriense, “magret de pato”, acompanhado dum “Rosés”, Douro, evidentemente!

Escola Irmãos Goulart

Os irmãos José Vieira Goulart e Francisco Vieira Goulart pagaram, no ano de 1864, a construção desta escola, na freguesia das Fontinhas, concelho de Praia da Vitória, dotando-a com uma Caixa Escolar.

Sé d’Angra – Exéquias solenes por alma de D. Carlos e Príncipe D. Luiz

31 de Março de 1908 - Sé Catedral de Angra do Heroísmo


Clicar na foto para ver pormenores












Convite
Tendo a Exma. Câmara Municipal d’esta cidade deliberado mandar celebrar, na Sé catedral, no dia 31 do corrente, pelas 10 horas da manhã, exéquias por alma de S. Majestade El-Rei D. Carlos e de Sua Alteza o Príncipe Real D. Luiz Filipe, a direcção da Associação Comercial convida todos os seus associados e demais negociantes a industriais a fecharem os seus estabelecimentos a assistirem aquele acto religioso.
Angra do Heroísmo, 27 de Março de 1908.

O vice-presidente da direcção
Guilherme Martins Pinto


Clicar na imagem para ler


Bagos d’Uva agradece aos conspícuos senhores
Dr. Marcolino Candeias, Director da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo e Dr. José Avelino Santos, historiador e dedicado arquivista da mesma Biblioteca, por nos ter facultado cópias dos jornais.

terça-feira, 30 de março de 2010

Vinhos doutras Castas

Em típica tarde de Março chega-nos a angrense Vera Leonardo, Técnica de Ambiente, e o Eng.º Frank Ostermann.

Ainda no Museu, os simpáticos visitantes degustaram vinhos produzidos com uvas das castas “Verdelho dos Açores” e “Terrantez da Terceira", visitando também a região (de)marcada onde viram curraletas com vinhas.


Le petit futé com Biscoitos

Vinda de França encontra-se nos Açores Saliha Hadj-Djilani, autora do guia “Le Petit Futé”.
Na ilha Terceira, a simpática e encantadora Saliha, esteve no Museu do Vinho dos Biscoitos da Casa Agrícola Brum Lda. onde degustou o tranquilo “Donatário” e o generoso “Chico Maria”.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Ilhéus das Cabras

Foto: 29 de Março de 2010

Em 1869, a corveta “Kearsarge” para evitar a acção da canhoneira “Alabama” que a perseguia, passou entre estes dois ilhéus, e veio, sempre perseguida pela sua adversária fundear ao lado da corveta “D. Estefânia” que o Ministro da Marinha mandara para os Açores, com um Batalhão de Caçadores 2, no sentido de fazer respeitar nas águas açorianas a neutralidade que Portugal mantinha na guerra desenvolvida nos Estados Unidos para a abolição da escravatura nos Estados do Sul.

Não obstante a sua posição, seria a “Kearsarge”alvejada pelo inimigo se não fora a intervenção do guarda marinha, o açoriano, Azevedo Gomes, que na falta, por motivo de doença, do seu comandante, tomou o governo do seu navio, e soube honrar altamente o nome de Portugal, evitando a agressão e impondo a neutralidade estabelecida.

Amizade a “dar c’um pau”

Na companhia dos terceirenses Tânia Fagundes e Paulo Bettencourt (blogue jogo do pau) visitaram, nos Biscoitos, o Museu do Vinho, Cátia Ferreira e Bruno Marçal.

domingo, 28 de março de 2010

Domingo de ramos nos Biscoitos

Com a “procissão de ramos”, em muitas das paróquias, a lembrar-nos a “entrada triunfal do Senhor em Jerusalém, aclamado com hossanas e recebido em festa” e a narração da Paixão e Morte, na mesma Jerusalém, dá-se início à Semana Santa, em todo o mundo cristão.

Realizou-se esta manhã uma procissão de ramos, na freguesia dos Biscoitos, desde a Ermida do Divino Espírito Santo e a Igreja do Imaculado Coração de Maria.




Serreta

Esta Freguesia, do concelho de Angra do Heroísmo, voltada a Sudoeste, foi buscar o nome á serra que lhe fica a Norte.


Segundo a tradição, nos fins do século XVI, um piedoso sacerdote, vítima duma injusta perseguição, ali se estabeleceu.
A lenda:
«Havia um velho padre, velho e santo homem, que para fugir do Mundo e dos homens, tomou o seu bordão e foi por serras e montes á procura de um ermo onde pudesse orar.
Foi-se embrenhando pelos matos, mais e mais até não ouvir outros ruídos que os do vento agitando as florestas e os do mar quebrando-se nos alcantilados rochedos.

O venerando sacerdote conseguiu o que tão arduamente desejava, por entre penas, trabalhos e provações de toda a ordem, chegou á Serreta exausto de forças, mas vigoroso de fé e de confiança. Era bem aquele lugar que Nossa senhora lhe havia indicado numa visão encantada e doce, visão que lhe enchia a alma inteira, que o alentava, que o fortalecia. Erigiu uma modesta capela, onde colocou a imagem da virgem, que sempre o acompanhou. Foi ali que orou prostrado ante a mãe de Deus durante o resto de seus dias.»

Anos depois da morte deste sacerdote que construíra a primitiva Capela, onde acorria todos os anos muito povo em romagem, a Imagem foi transferida para a paroquial das Doze Ribeiras, pelo estado de abandono em que se encontrava a Capela.

No ano de 1762- ao saber-se, por comunicado, do Conde de Oeiras, que as tropas espanholas tinham entrado em Portugal, várias “pessoas de eleição” da Ilha e oficiais de guarnição, no intuito de pôr a Terceira em estado de repelir um eventual ataque, percorreram o litoral escolhendo os locais para construir fortificações. Chegados ás Doze Ribeiras invocaram o auxílio de Nª Sª dos Milagres, obrigando-se a fazer-lhe festa solene se a Ilha não fosse atacada.
Assim sucedeu. Dois anos depois os peticionários “Escravos da Senhora” lavraram um termo firmando aquele voto, com a data de 11 de Setembro de 1764.

Dez anos mais tarde, a 13 de Setembro de 1772, na freguesia das Doze Ribeiras, lavraram um acordo pelo qual os “Escravos da Senhora” convieram na reedificação da Ermida da Serreta, obtendo desde logo na Ilha grandes donativos para a obra.
Não obstante tão excelentes propósitos, 25 anos depois, e, 1787, ainda não estava reedificada a Capela. Como por essa ocasião ameaçasse o reino o perigo da ocupação francesa, foi revalidado o voto com referência á festa, obrigando-se todos a cumprir o propósito da reedificação da pequena igreja. Voto com data de 26 de Julho de 1797.
Passado o perigo, os votos foram esquecidos. Em 1818 o general Francisco António de Araújo obedecendo ao plano geral de levantar as capelas das igrejas que ao povo competia acabar, nos lugares em que o desenvolvimento da população o exigisse, e sabendo dos votos feitos em 1762 3 1797, promoveu a construção duma igreja na Serreta por meio de donativos de alguns devotos e do Estado, chegando a obter o levantamento das paredes.

As perturbações politicas, da época, obstaram á conclusão da obra.


Em 1848, o conselheiro José Silvestre Ribeiro, governador civil do distrito de Angra do Heroísmo, conseguiu levar a efeito a construção da igreja coadjuvado pelos Srs. Visconde de Bruges e Vital de Bettencourt Vasconcellos e Lemos, que por escritura de 30 de Agosto de 1842 fez doação de 4#000 reis anuais para património da nova Igreja, e outros cavalheiros angrenses.

A 10 de Setembro do mesmo ano realizava-se a trasladação da Imagem de N.ª S.ª dos Milagres para a sua nova Capela, sendo criada ali um curato, até que por decreto de 16 de Outubro de 1861 e provisão do bispo D. Frei Estevam, de 24 de Setembro do mesmo ano, foi criada a Paróquia e Freguesia denominada de Nossa Senhora dos Milagres, que principiou a funcionar em 1 de Janeiro de 1862.

Fonte: recorte de jornal

sábado, 27 de março de 2010

Militares aquartelados nos Biscoitos durante a 2.ª Grande Guerra

Uma Companhia chegou à freguesia dos Biscoitos no dia 27 de Julho de 1941, ficando o Comando na casa ao lado do Império do Caminho do Concelho. Militares que prolongaram e alargaram o Caminho da Rocha, construindo trincheiras ao longo da orla marítima biscoitense.
Eis alguns:

Duarte Militão (Capitão); Joaquim Bernardo Tavares (Alferes); Francisco Mendes Pereira (Alferes); Eduardo Frias (Alferes); Amílcar Pinto Mesquita (Sargento); António Ferreira Madeira Cacho (Furriel); Gaspar Henrique Diniz (Furriel); Manuel Severiano (Furriel); Jorge da Graça Benevides Pinheiro (Furriel); Virgílio Ribeiro Ferreira Vidal (Furriel); Álvaro d’ Abreu Salgado (Furriel); Luís Pinhão d’ Araújo (Furriel); Arnaldo Margarida Ramos (Furriel); José Joaquim Dias de Magalhães (Furriel); José Soares (Furriel); Ângelo Rodrigues da Paz (Furriel enfermeiro).

Caminho do Concelho -1943/02/21- alguns dos militares junto do Império do D.E.S. (1): Amílcar Pinto Mesquita (Sargento); Furriel José Soares (Furriel); Virgílio Ribeiro Ferreira Vidal (Furriel Miliciano); Jorge da Graça Benevides Pinheiro (Furriel); António Ferreira Madeira Cacho (Furriel); Manuel Severiano (Furriel Miliciano) e Ângelo Rodrigues da Paz (Furriel enfermeiro).

(1) Tiras de papel coladas com grudo nos vidros das janelas para evitar estilhaços, na eventualidade de bombardeamentos.


Professora e aluno visitam Museu do Vinho

Com a finalidade de conhecerem a história da vinha e da uva, visitaram, nos Biscoitos, o Museu do Vinho, Emanuel José de Azevedo Soares Leal e Maria da Paz Mota do Vale Monteiro de Oliveira, respectivamente aluno e professora da Escola Secundária (Padre) Emiliano de Andrade, em Angra do Heroísmo.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Professor Jorge Correia no “Oceano de Histórias”

A convite do Dr. Marcolino Candeias, director da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo, para efectuar, hoje, a palestra Do Urbanismo Regulado no Atlântico Português, que decorrerá na sala dos reservados da mesma Biblioteca, está na Terceira, o Professor Doutor Jorge Correia.
Durante a estada na Ilha, o ilustre visitante entrou em território “Da Resistência”, na companhia do Dr. Marcolino Candeias, que com conhecimento e saber tem enriquecido a sua e nossa Terra.

Três visitantes – Simpatia, Afabilidade e Magia

Em fria tarde de Março surgem-nos as cativantes Nook Rgenberger (Tailândia), Lekili St. Maria (Hawaii) e a filipina Maila Guiterrez, directora da “Magic of the Pacific Islands Polynesian Dancers”.
Uma visita, ao Museu do Vinho, envolta em aromas de Verdelho, que as encantadoras visitantes permutaram com simpatia, afabilidade e magia.

João Câmara na Praia da Vitória

Esteve na Praia da Vitória, a fim de organizar as comemorações do Dia Mundial da Floresta, o Professor João Câmara, administrador da Tetrapi Lda., com sede na cidade de Ponta Delgada.


quinta-feira, 25 de março de 2010

JJ Muller fotografa os Açores

Encontra-se, há já umas semanas, no arquipélago dos Açores Jean-Jacques Muller, professor da Universidade de Franche Conté, França.
A paixão pela fotografia ficou bem patente durante a sua estada nos Biscoitos, nomeadamente nas curraletas com vinhas, na orla marítima, e em território “Da Resistência”.

Haja Verde!

Com a saudação “haja verde”... chega-nos os elvenses Teresa Martins e António Martins, acompanhados dos amigos Paula Ázera e Daniel Falcão. Em território “Da Resistência” foi notória a paixão do Eng. António Martins pela vitivinicultura.

Francisco Valadão Vaz- divulgador da agricultura biológica


Com o objectivo de apresentar uma vasta gama de produtos para apoio à agricultura ecológica esteve no Museu do Vinho da Casa Agrícola Brum Lda. o vilanovense Francisco Valadão Vaz.
Preocupado com a enorme quantidade de químicos usados na agricultura convencional, Francisco Vaz lançou-se na missão de divulgar e comercializar os referidos produtos.
“Primeiramente, para aplicação nas minhas culturas de plantas aromáticas e medicinais, cujo projecto estou a iniciar na freguesia da Vila Nova, concelho da Praia da Vitória. Depois, com a intenção de incentivar o uso daqueles produtos junto de quem quer fazer uso de uma agricultura que seja mais respeitadora dos ritmos da natureza e da saúde dos consumidores”, referiu-nos Francisco Vaz.
“De uma forma geral, noto boa receptividade, mas uma adesão ainda tímida” acrescentou.
Francisco Valadão Vaz é representante, nos Açores, da Casa Amaro Tavares & Filho, que conta com reputado crédito a nível nacional e internacional, uma assistência técnica inovadora e responsável e uma digna gama de apoio à agricultura ecológica (feromonas, armadilhas, insectos auxiliares, indutores de resistência, agronutrientes…).

quarta-feira, 24 de março de 2010

24 de Março de 1641-Uma data que deve ser comemorada

Data célebre e gloriosa em que, pelo Capitão-mor Francisco de Ornelas da Câmara Paim, foi soltado o grito de independência na vila da Praia da Vitória – o primeiro que ouviram rochedos açorianos.

Foi nesta data que baqueou opressão castelhana nos Açores, pois que apesar de, desde 6 de Dezembro de 1640, estar a governar um rei português que os conjurados do dia 1º de Dezembro foram buscar á tranquilidade do Paço dos Bragança em Vila Viçosa, de que era oitavo Duque, neste arquipélago continuavam a governar os castelhanos, escudados com a fortaleza de S. Filipe de Angra, baluarte inexpugnável, de que era governador D. Álvaro de Viveiros.

No dia 24 de Março – Domingo de Ramos - foram, no adro da Matriz, levantados vivas ao rei D. João IV com gritos de abaixo a tirania, por Francisco de Ornelas da Câmara. Saindo, de seguida, da igreja uma procissão com a câmara municipal, a nobreza, o clero e muito povo e o sargento-mor Sebastião Cardoso Machado, sendo pelas ruas aclamado D. João IV e a Liberdade.

A 27 desse mesmo mês o graciosense Fr. Diogo de Chagas conseguiu a aclamação na vila de S. Sebastião.

Depois de alguns combates em Angra foi aclamado o novo rei no dia 31, saindo da Sé uma imponente procissão em que se incorporaram a câmara, cabido, religiosos e povo em direcção aos paços do concelho, onde foi feita a aclamação.

Fonte: Açores 1930

“Do Urbanismo Regulado no Atlântico Português”

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo organiza a 3.ª conferência, do Ciclo OCEANO DE HISTÓRIAS - NOVOS CAMINHOS DA HISTÓRIA DO ATLÂNTICO, Do Urbanismo Regulado no Atlântico Português.

Esta conferência terá lugar no dia 26 de Março de 2010 (6ª feira), às 18h00
na Sala de Reservados do Palácio Bettencourt, em Angra do Heroísmo (Rua da Rosa).

Uma parceria:
CHAM - Centro de História de Além-Mar (Universidade Nova de Lisboa-Universidade dos Açores)
BPARAH - Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo


Fonte: BP&AR de Angra do Heroísmo

Perdeu a "virgindade" nos Biscoitos

O 64-o toiro das mulheres-do criador Humberto Filipe, foi “puro” a 9 de Julho de 2003, no Bairro de São Pedro, freguesia dos Biscoitos, concelho de Praia da Vitória, lê-se na página 33 do livro de Liduino Borba.

“ Monstro das Tapadas”, como lhe chamou Paulo Almeida - www.64hf.com.
1 de Setembro1999 - 27 de Julho de 2008

Empresários e OCS canadianos visitam os Açores

Vindos de Ontário, Canadá, e com a finalidade conhecerem o que de melhor se produz nos Açores, encontram-se nesta Região Autónoma cerca de quarenta empresários e oito jornalistas de vários OCS, iniciativa que tem o patrocínio da vice-presidência do Governo Açoriano. Integra esta embaixada Carlos Botelho, Presidente da Casa dos Açores de Ontário.
Durante a estada na ilha Terceira os visitantes foram acompanhados por Letícia Vieira, presidente das Sanjoaninas e Vanessa Martinho, do secretariado das mesmas festas.

Da esquerda: Vanessa Martinho; Anabela Resendes; Letícia Vieira e Carlos Botelho

terça-feira, 23 de março de 2010

Quarteto ao "Chico Maria"

Por: Rosa Silva *


Quem aplaude "Chico Maria"
Dos Biscoitos, rei e senhor,
Sabe que é a mais-valia
Das entradas a rigor.

"Chico Maria" bendito
Pelos lábios de alguém
No seu sabor acredito
Traz estrelas do além.

Uma oferta assim rimada
Pode ter outro sabor
Se a musa está inspirada
Deve tudo ao tal senhor.

À vista é lindo, dourado,
Na prova tem bom efeito,
Num paladar requintado
Tem sabor mais-que-perfeito.

2010/03/23

(Num comentário de Rosa Silva neste post)


Estudantes italianos estagiam na Praia da Vitória

Acompanhados pelo Professor Lucas Beccacece encontram-se a fazer um estágio em vários restaurantes e hotéis da ilha Terceira 10 alunos do Istituto Professionale di Stato per i Servizi Alberghieri della Ristorazione e Turistici "G. Varnelli", Itália.
A Escola Profissional da Praia da Vitória acolheu a delegação da sua parceira italiana, que durante a estada na Terceira visitaram, nos Biscoitos, na companhia de Sandra Quitério, Pedro Silva e Sérgio Cardoso, o Museu do Vinho da Casa Agrícola Brum Lda.

Fontinhas – Cultura e Tradição

Alguns membros do “Grupo Folclórico Fontes da Nossa Ilha” da freguesia das Fontinhas estiveram, no último fim-de-semana, na freguesia dos Biscoitos.
Já os vimos por aqui.

Da esquerda: Leandro Ávila; Dulce Rocha Mendes e Tiago Mendes

Segundo fonte de verdelho, este ano o 1º Bodo do Divino Espírito Santo na freguesia das Fontinhas e respectiva Função será da responsabilidade do GFFNI.
Ficamos ainda a saber que o entusiasmo para a fundação do futuro museu daquela freguesia é cada vez maior por parte deste Grupo. Certamente que no seu acervo constará instrumentos e documentação referentes à vitivinicultura. Aliás, muitas das típicas vinhas biscoitenses são pertença de fontanhenses. Uvas, mas mesmo muitas, foram vinificadas em adegas de lavradores desta freguesia do concelho da Praia da Vitória.

Notáveis preparam Plano …de trabalhos

Em preparação do Plano de Trabalhos -PT-a apresentar por ocasião da tomada de posse, alguns Confrades eleitos, para quadriénio 2010/2014, reuniram-se no dia 20 de Março p.p. no Restaurante SIX, em S. Bartolomeu.
O jantar foi acompanhado com Magma, vinho produzido e engarrafado pela Adega Cooperativa dos Biscoitos C.R.L.

Fonte: fuga de informação

Afonsina nos Biscoitos e no Vinho

Seguindo as pisadas destas, a Tuna Afonsina de Loulé visitou, nos Biscoitos, o Museu do Vinho, onde os seus membros degustaram o “Chico Maria".
Na Canada do Caldeira brindaram os transeuntes com a Charamba da ilha Terceira.







segunda-feira, 22 de março de 2010

VII Foro Mundial del Vino


Realiza-se de 12 a 14 de Maio p.f. no Palácio dos Congressos de Rioga o VII Foro Mundial del Vinho.
Chama-se a tenção que o prazo para a entrega de trabalhos científicos termina a 1 de Abril p.f.

Dia Mundial da Água

Antes e agora


Freguesia do Posto Santo - Fonte da Telha - Ilha Terceira

Na costa Norte da Ilha Terceira

Vindos da Costa da Caparica chega-nos Glória Barroso e Mário Catarino, que vieram acompanhados pelos amigos Luísa Rodrigues e Daniel Rodrigues.
No Museu do Vinho degustaram um vinhinho produzido na adega da Casa Brum.

António Trota nos biscoitos de lava

Esteve nos Biscoitos o Professor António Neves Trota, Licenciado em Engenharia Geológica pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, mestre em Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos pela Universidade dos Açores, onde é Assistente.

O Professor António Trota é um apaixonado por vinhos produzidos em regiões vulcânicas, como é o caso do tranquilo “Donatário” e do generoso “Chico Maria”.
A 17 de Abril p.f. pretende efectuar, com os seus alunos, uma visita de campo ao Pico Alto, e quiçá aos biscoitos de lava.

Biscoitos rendem-se às Tunas

Durante o VI Ciclone a Tuna-Mus, invadiu, tal como estes, território biscoitense.
No Museu do Vinho beberam um generoso produzido com uvas nadas em curraletas da região (de)marcada daquela freguesia do concelho da Praia da Vitória.





domingo, 21 de março de 2010

Haja saúde….e Vinho!

Em típica tarde de Março surge-nos Anabela Rua e Vítor Costa, respectivamente administrativa e enfermeiro no Hospital de Cantanhede.

Na visita que efectuaram ao Museu do Vinho, estes simpáticos enófilos, degustaram vinho produzido com uvas da “Verdelho dos Açores”.

Mike Hurley nas Lajes

Encontra-se na Base Americana da Vila das Lajes Mike Hurley, da Companhia de Seguros USAA. Durante estada na Ilha Terceira deslocou-se, na companhia de Paulette Burnard, directora de marketing, ao Museu do Vinho dos Biscoitos.