quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Em Lua-de-Mel

Na companhia dos professores Sónia Pinto Bento e João Bento visitaram o Museu do Vinho, sustentado sem tutores  pela Casa Brum, Joana Bento Nunes e Mário Ferreira, que se encontram nos Açores em Lua-de-mel

Ainda em território “Da Resistência” degustaram vinhos vinificados com uvas de castas tradicionais. 

Apaixonados pela natureza

Depois de percorrerem trilhos da costa norte da ilha Terceira, entraram em território “Da Resistência” Marisa Toste e Juca Martins.
Ainda no Museu do Vinho os simpáticos jovens encontraram-se com o generoso “Chico Maria”.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Nos Biscoitos

Na companhia da Professora Fernanda Dias, docente da Escola (Padre) Tomás de Borba, em Angra do Heroísmo, visitou o Museu do Vinho a Dr.ª Fernanda Mascarenhas, gerente comercial.

Ainda em território “Da Resistência” as simpáticas visitantes encontraram-se com o generoso “Chico Maria”.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Outdoor Recreation Af Services

Mais um grupo de militares americanos estacionado na Base das Lajes percorreu a ilha Terceira durante uma visita organizada pelo Outdoor Recreation Af Services e superiormente orientada pelos respectivos guias interpretes, Xavier Machado e João Ferreira.

Nos Biscoitos visitaram o Museu do Vinho.

“Monumento ao Toiro” na ilha Terceira

Continuam em bom ritmo os trabalhos da instalação do “Monumento ao Toiro” na rotunda situada á Carreinrinha, freguesia de S. Bento, a dois passos da Praça de Toiros da Ilha Terceira, uma iniciativa da Tertúlia Tauromáquica Terceirense (TTT).

Para o artista Renato Costa e Silva, natural de Angra do Heroísmo, a escultura, “ foca a vinda de toiros do mato”.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Anand Mahadevan nos Biscoitos




Encontra-se no Arquipélago açoriano o escritor Professor Doutor Anand Mahadevan, que está escrevendo um livro sobre duas linhagens Indianas em Toronto -  uma emigrada dos Açores, a outra directamente da Índia para o Canadá. O investigador/escritor diz estar empolgado com este trabalho e ansioso por coabitar com os habitantes das ilhas no meio do Atlântico.


Aos dezassete anos Mahadevan mudou-se para os Estados Unidos com o intuito de completar os seus estudos, complementando-os na Europa e no Canada.

Desde 2002 que vive em Ananindeua e trabalha em Toronto. Lecciona Escrita de Ficção Avançada - Advanced Fiction Workshop (Etobicoke – Campus do Humber College, Universidade de Toronto e Universidade de Boston). Também analisa obras de ficção para a Tottenville Review.

A sua escrita foca e explora as experiencias dos imigrantes e o papel dos laços de sangue para a melhor compreensão da marginalização presente nas estruturas sociais.

A 14 de Setembro, Mahadevan passou pelos Biscoitos, onde conheceu o “Chico Maria” um descendente directo do vinho da Rota das Índias ou das Especiarias, e registou-o no seu Blogue num pequeno texto, o qual transcrevemos.

“14 Setembro de 2010, Biscoitos

Cheguei ontem á Ilha Terceira no Hellenic Wind. Este ferryboat grego foi posto em circulação pelo Governo Açoriano e viaja quase sempre vazio devido ao seu tamanho gigantesco. Fico feliz por ter o meu patch de escopolamina, uma vez que o barco balança compulsivamente por entre as ondas no mar aberto. O pobre homem sentado ao meu lado vomita há horas. (…). Não sou uma grande ajuda para o homem que mal conseguiu pregar olho numa viagem de 4 horas.

Estive em Angra, a segunda maior cidade das Ilhas e Património Mundial. É bonita, mas de uma forma turística, como tal, não vou escrever mais sobre a cidade.

Hoje estou nos Biscoitos, a norte da Ilha, onde no Passado o vinho era um grande negócio. No Museu do Vinho, identifico-me como escritor com uma bolsa e a guia turística leva-me numa tour especial pelas vinhas e  adegas. Ouvi imenso sobre o papel dos marinheiros da Índia, Macau, Timor e Brasil  que paravam nas Ilhas na rota para Lisboa, e como vendiam e especiarias e mobiliário na Ilha, já que as autoridades as confiscavam no continente.

Em Angra, há uma confeitaria famosa " O Largo ", que vende um pequeno bolo denominado de Amélia, a última rainha Portuguesa. Eu descobri no Museu do Vinho que o bolo era originalmente chamado de "Bolo Indiano" porque era feito com especiarias trazidas de Goa. Fora um golpe publicitário, aquando a visita do Rei á Ilha no início do século XIX.


A vinha produz o famoso vinho verdelho aqui. Enquanto caminhamos ao longo das curraletas, fico surpreendido ao ver as videiras deitada sobre as pedras de basalto, como a abóbora cobriria um jardim em Toronto. Não existem estacas aqui, nenhum suporte para suster a vinha longe do chão. Na verdade, não há solo por aqui também. As raízes das videiras simplesmente desaparecem nas fendas da rocha basáltica e são irrigadas por canais de águas pluviais que carregam os minerais das rochas de lava. O basalto aquece bem ao sol e irradia o calor durante a noite, e é esse calor que permite que as uvas  se desenvolvam bem a norte e produzam o inebriante vinho verdelho. Maria, a guia, parece ter simpatizado comigo e deu-me um pequeno fruto para provar. Sabe a goiaba, embora seja do tamanho de uma cereja. Ela parece satisfeita com o meu parecer e diz-me que é uma fruta do Brasil, um “primo” da goiaba. Antes de me ir embora, ela ira esvaziar uma cesta inteira deles para o meu saco. Mas por enquanto, ela leva-me numa excursão pelo equipamento usado para fazer vinho. Eu vejo uma pia de lavar a roupa esculpida  num único pedaço de basalto. É usado para lavar a roupa durante o ano, mas quando há uvas maduras, a banheira mesmo é usado para esmagar as uvas. A visão da “banheira”, a historia sobre o  Bolo Indiano põe-me feliz porque já sei que eles vão aperceber-se do tema que eu estou a trabalhar actualmente.


Mas há mais, no interior do edifício Maria mostra cordas feitas de fios da cauda do gado e dos nervos das baleias, os bloqueios feitos de madeira com as chaves também esculpido em madeira. A ingenuidade dos habitantes da ilha, forçados a se contentarem com o que estava disponível, impressiona-me. Deixo por fim a Adega bastante contente, já que os meus anfitriões insistiam para que eu experimentasse todos os vinhos e aguardentes feitos no local (e serviam-me em porções generosas). Eles parecem satisfeitos por terem um escritor entre eles, pois faziam imensas perguntas sobre o meu trabalho, enquanto me aliciavam com figos e com essas goiaba pequenas (cujo nome me esqueci na bruma do álcool). Ate ao momento de partir, ficamos como grandes amigos. A caminho para apanhar o autocarro, paro e apercebo-me que é quase meio-dia!”

In http: //blogs.bu.edu/world/2010-global-fellows/anand-mahadevan-the-azores/

Minhotas nos Biscoitos

Vindas do Minho encontram-se de férias na Ilha Terceira as simpáticas enfermeiras Helena Isabel Teixeira da Costa e Elisabete da Silva Santos.

No Museu do Vinho “dialogaram” com o generoso “Chico Maria”.

domingo, 26 de setembro de 2010

sábado, 25 de setembro de 2010

“O Mundo é a minha Ilha” – Hugo Machado

Exposição nos Biscoitos


Esteve patente esta semana na Junta de Freguesia dos Biscoitos uma exposição de fotografia de paisagem de Hugo Machado intitulada “O Mundo é a minha Ilha”.

As fotografias foram captadas nos últimos anos pelo jovem terceirense no decurso das suas inúmeras viagens.
Esta exposição, que reúne 20 fotografias,   integrou-se no programa das Festas dos Biscoitos do Imaculado Coração Maria 2010 e contou com o apoio do IAC – Instituto Açoriano da Cultura.

De realçar que nesta mostra encontra-se a foto premiada pelo concurso internacional de fotografia da National Geographic Magazine, na categoria “Lugares”, a qual foi tirada em 2008 e retrata o vulcão Licancabur (Chile/Bolívia).

Hugo Machado nasceu em Angra do Heroísmo em 1980 e é licenciado em Geologia na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Estudou e trabalhou nos mais diversos recantos do Mundo – Angola, Inglaterra, Áustria e Nova Zelândia. Actualmente encontra-se na Noruega, como geólogo na indústria petrolífera.

Biscoitos – 5ª feira de toiros (2)

O anterior aqui


(continua)

Biscoitos – 5ª feira de toiros

Continuação da Festa



Continua

sexta-feira, 24 de setembro de 2010