sexta-feira, 5 de agosto de 2011

O Vinho e a Saúde: Os três paradoxos (3)


Por: Mário Saraiva Pinto *


Foi para combater este “paradoxo português” que se constituiu, em 1994, a LASVIN – “Liga dos Amigos da Saúde e do Vinho”, associação cívica sem fins lucrativos, a nível nacional, que persegue os seguintes objectivos:

a) Divulgação dos resultados de trabalhos de investigação cientifica, sobre a constituição do vinho e seus efeitos benéficos na saúde humana;
b) Promoção da defesa do Vinho, relacionando o seu consumo moderado com a defesa da Saúde, através de campanhas informativas, colóquios e simpósios;
c) Avaliação e divulgação do consumo moderado como factor de melhoria da qualidade de vida.


Para alcançar estas metas, a LASVIN congrega, no seu Conselho Cientifico alguns nomes importantes da Medicina Portuguesa actual, muitos deles professores universitários, de várias especialidades, tais como a Cardiologia, o Nutricionismo, a Psiquiatria, a Gastroenterologia, a Medicina Interna, etc.

A LASVIN dispõe também de um Conselho Cultural que promove a divulgação da importância da Vinha e do Vinho na História e na Cultura dos povos, e das suas ligações às Artes, à Literatura, à Economia, às Religiões, através da publicação de trabalhos que abordam aqueles temas nas suas várias vertentes (histórica, cultural, social e económica).

8- Mas a LASVIN julga que informar não basta; é também preciso formar.
Por isso, por um lado, organiza “espaços” de amplo debate e divulgação, como o recente Simpósio Internacional “Benefícios do Vinho, Malefícios do Álcool”, realizado no Porto, em Junho passado, e que, entre outros contou com a presença do eminente Prof. Jack Masquelier, da Universidade de Bordéus que, como atrás se disse, foi o grande iniciador as pesquisas cientificas que vieram desembocar na descoberta do “paradoxo francês”.

Por outro lado, com a colaboração da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto, do Instituto Superior Politécnico de Gaia (ISPGAYA) e do Colégio dos Carvalhos, a LASVIN está também a desenvolver duas acções de carácter pedagógico, o “Projecto Júnior” e o “Programa Sr. Limite”, que partem da mesma premissa; a preservação do alcoolismo deve passar pela educação e formação dos jovens, a partir dos 12 anos. (Isto, sem esquecer que o consumo habitual de vinho ou de outra qualquer outra bebida alcoólica só se aconselha a partir dos 18 anos).

Estas acções estão a ter como sedes preferenciais as Escolas Secundárias e Superiores, e nelas pretende-se ensinar a degustação de vinhos, focando a qualidade e, sobretudo, o controlo pessoal em termos de consumo responsável e equilibrado dos mesmos.

Por outro lado, e atendendo a que os adolescentes são, nomeadamente nos locais de diversão nocturna que frequentam, um dos alvos preferenciais das campanhas de publicidade das cervejas, e das bebidas destiladas com elevado teor alcoólico, faz-se também a pedagogia dos limites consumo das mesmas e dos perigos da sua ingestão em demasia, como, aliás, acontece com todos os tipos de bebidas que contenham álcool.

Em resumo, pretende-se fazer a formação dois jovens em termos dos benefícios que advém da ingestão alcoólica, balizando, tanto quanto possível, os limites máximos considerados prudentes para a ingestão de cada tipo de bebida.

9- Desnecessário será sublinhar a importância de uma associação como a LASVIN parta um país como Portugal, em que, não obstante ser um dos mais importantes produtores mundiais de Vinho, a falta de conhecimento do cidadão, médio sobre a matéria á confrangedora, o que torna alvo fácil de todo o tipo de “manobras” (des)informativas, quase sempre tendenciosas  e ao serviço de poderosos “lobbies” cujos interesses colidem com os do Vinho.

Esperamos que os Organismos Públicos, Entidades oficiais e privadas, Federações e Associações empresariais, empresas do sector vitivinícola e de outros a ele ligados e, enfim, todos quantos se interessam pelo Vinho, se dêem conta da relevância desta iniciativa e dos reflexos que a ela não deixará de ter na Saúde Pública, na Economia, na Cultura e na Sociedade Portuguesa, onde este produto extraordinário e único que é o Vinho ocupa proeminente desde tempos imemoriais. 

* Festa da Vinha e do Vinho dos Biscoitos – Setembro 1995
Publicado no conceituado jornal angrense “A União” de 14 de Setembro de 1995


2 comentários:

Camila.Haase disse...

Bem interessante o tema e os argumentos do texto.

Bagos disse...

Cara Camila.Haase

A Saúde, a Amizade e o Vinho um trio importante!

Haja saúde!