sexta-feira, 29 de abril de 2011

Ermida do Divino Espírito Santo

A Ermida do Divino Espírito Santo, da freguesia dos Biscoitos, foi originalmente edificada por Matias da Silveira em cumprimento de um voto, ocorria então o ano de 1761 e pairava sobre as suas propriedades a ameaça do fogo que se manifestara por detrás do Pico Gordo, fruto da erupção vulcânica desse ano (17 a 29 de Abril).

Mais tarde pertenceu a Mateus Borges do Canto e depois ao comendador Círiaco Tavares da Silva que por sua vez vendeu todo o prédio a Francisco Maria Brum.

Planta de localização da primitiva Ermida.

Em 1936, devido ao alargamento da via pública, Manuel Gonçalves Toledo Brum realizou alterações de vulto no imóvel e, mediante a permissão eclesiástica, firmada pelo Bispo D. Guilherme Augusto da Cunha Guimarães, transferiu a Ermida do lado Norte para Sul da habitação e dentro do recinto murado.

Procedeu-se à bênção solene em 14 de Maio de 1942.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Confraria Gastronómica “Panela ao Lume”



Uma delegação da mais antiga confraria gastronómica portuguesa, sedeada em Guimarães, encontra-se de visita aos Açores, concretamente a S. Miguel, Terceira, S. Jorge, Pico, Faial e Flores, tendo participado nas Velas nos festejos de S. Jorge, desfilando com a Confraria do Queijo S. Jorge na procissão.

Nas ilhas por onde passou tem sido recebida pelas suas congéneres, isto é pelas Confrarias Gastronómicas dos Açores, do Chá do Porto For Formoso, do Vinho do Pico, etc.

Na Terceira, nos dias 24 e 25 de Abril, aguardavam esta delegação, que integra o Mordomo-mor Dr. Gonçalo Pereira Reis Torgal, o Mestre Honorário da Confraria da”Panela ao Lume” Jácome de Bruges Bettencourt e o Grão-Mestre da Confraria da Alcatra da Terceira, Duarte Fournier Costa

No dia 24 o Museu do Vinho da Casa Agrícola Brum foi visitado pelos Confrades da “Panela ao Lume” de que faz parte a Drª Maria Elisete Pato François, médica obstetra, filha do Dr Eliseu Pato François, antigo Reitor do Liceu de Angra do Heroísmo.


As refeições constaram de Alcatra, servida pelo “Marcelino Restaurante” e na “Adega de São Mateus” de lapas, cracas, cavacos e filetes de abrótea, com vinho de Verdelho dos Biscoitos.

A “Panela ao Lume” no corrente ano festeja o 35º aniversário da sua fundação pelo que a próxima investidura, em Setembro próximo, contará com um programa especial.


São seus Confrades de Honra os açorianos Jaime Gama, Carlos César e Jácome de Bruges Bettencourt.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

“REVERSOS” em Angra do Heroísmo



“REVERSOS”, por MANUEL FREIRE

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo celebra o Dia Mundial do Livro (28 de Abril pf– pelas 18h00) com uma sessão de poesia de língua portuguesa, dita por Manuel Freire, intitulada Reversos.

Manuel Freire emprestou a sua voz ao Hino da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, ver aqui


terça-feira, 26 de abril de 2011

SEA CLOUD II no Porto das Pipas


Encontra-se atracado ao molhe do Porto das Pipas o luxuoso veleiro  SEA CLOUD II, pertencente à companhia Sea Cloud Cruises.

Hoje, os seus passageiros (23 alemães, 23suíços, 2 belgas e 2 suecos), que se encontram acompanhados pela simpática Birgit Siegel, desdobraram-se na visita à ilha Terceira. Enquanto uns ficaram pela cidade de Angra do Heroísmo outros “entraram por terra dentro”. 

Nos Biscoitos encontraram-se com o generoso “Chico Maria”, um descendente directo do vinho da Rota das Índias ou das Especiarias.

domingo, 24 de abril de 2011

Boa Páscoa!


Que, com a Ressurreição de Jesus Cristo, o Povo Português cante Aleluia!

sábado, 23 de abril de 2011

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Vinho generoso da casta Verdelho em garrafa cerâmica de grés vulcânico



Em emissão especial, comemorativa do centenário da Visita Régia aos Açores, 1901-2001, acaba a Casa Agrícola Brum Lda. de lançar no mercado esta valiosa e artística peça apetecível a qualquer coleccionador de bom gosto.

A presente garrafa, feita com barro vulcânico, pedra pomes e caulino, foi cozida num forno de chama invertida a 1200º centígrados e o vidrado é composto de pó de pedra e cinza de madeira.

Idealizada e concebida pelo notável ceramista Renato Costa e Silva, justamente considerado um dos melhores artistas do género a nível nacional, é já a segunda vez que a C.A.B. Lda. comemora uma efeméride de interesse histórico desta maneira e contando igualmente com a colaboração deste artista terceirense.

Num dos lados mostra as Armas Reais de Portugal e no outro o brasão dos Brum e o rótulo do vinho generoso que contém, da colheita de 1996 produzido nos Biscoitos. A capacidade da garrafa é de 0,75l e as peças são artesanais pelo que não são rigorosamente iguais, o que as torna mais interessantes (escorrimentos dos vidrados, cozeduras diferentes etc.).




Os interiores foram, também vidrados e curioso o pormenor da terminação do gargalo vidrado. As peças foram lacradas e aposto o sinete da C.A.B. Lda., sobre o selo.

De salientar a grande procura que esta cerâmica despertou, uma vez que estão a chegar à Casa Brum pedidos de todo o País solicitando o fornecimento de exemplares (limitados a 100 exemplares numerados e assinados por Renato Costa e Silva), sobretudo de sócios de Reais Associações, enófilos e membros de confrarias báquicas.

In A União de 25 de Setembro de 2001

Outra garrafa em grés vulcânico aqui

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Estalagem da Serreta


A Estalagem da Serreta foi inaugurada no dia 9 de Setembro de 1969, pelo Ministro das Obras Públicas, Engenheiro Rui Sanches. Foi nesta unidade hoteleira da ilha Terceira, uma obra de arquitectura da autoria do açoriano João Correia Rebelo, com um custo de cerca de sete mil contos, que se hospedou George Pompidou, Presidente de França, por ocasião da Cimeira Atlântica em 12/14 de Dezembro de 1971.

Foi classificada de interesse público pela Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, em 24 de Janeiro de 2007.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Geminação da Confraria dos Enófilos da Estremadura com a do Verdelho dos Biscoitos

Decorreu no dia 28 de Maio deste ano nas instalações da Casa Agrícola Brum Lda., nos Biscoitos, a cerimónia da geminação da Confraria dos enófilos da Estremadura com a Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, tendo participado nesta mais de meia centena de membros das duas instituições báquicas e dezenas de convidados. Presentes o Ministro da Republica, que é nosso Confrade de Honra e Devoção, o Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, o Subsecretário do Planeamento do Governo Regional dos Açores, o representante da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, autarquia que é Confreira de Mérito da C.V.V.B.

Pelo Grão-mestre da C.E.E. Tomaz Pedro Ribeiro Corrêa foi salientado o facto de ser a primeira vez que um acto deste tipo se realiza em Portugal, desejando que a partir desse momento se estabeleçam, para além dos laços de amizades, algumas trocas técnicas e culturais.

Usou da palavra o Grão-mestre Luís Brum da C.V.V.B. que a dado momento afirmaria:

“A estima recíproca destas Confrarias, tem sido um laço que tem vindo cada vez mais a apertar-se. Recordo os convívios entre estas associações báquicas e as presenças das mesmas em cerimónias de investiduras de confrades. Uma geminação da Confraria dos enófilos da Estremadura com a CVVB, traduz um espírito de bem combinar, de bem ligar as ideias numa amizade fraterna.

O verdadeiro sinal da destruição de um país, é quando aqueles que se devem unir, se separam e se abandonam. 

Apesar de sediada num Arquipélago, a CVVB tem objectivos semelhantes aos da sua congénere da Estremadura, como a defesa de uma região, a promoção, a valorização e divulgação do vinho de qualidade. E, no que toca à qualidade de vida das videiras, os problemas são idênticos, salvo algumas diferenças de sensibilidade. Estou efectivamente a comparar os Biscoitos por exemplo a Carcavelos e também a Colares, Regiões onde a paciência é amarga, mas os seus frutos são doces. A PACIÊNCIA É POIS, UMA AMIGA GENEROSA, que durante a prosperidade não aparece, mas que se nos apresenta a oferecer os seus socorros, quando a desgraça os torna necessários.

O pacto agora realizado, com o derrame de vinho branco das duas regiões, em conformidade de sentimentos unindo as duas Confrarias, lembra a nós confrades, acompanhantes, convidados e a todos os presentes a origem do VINHO como cultura dos povos, enfim, somos Irmãos Enófilos”.

Disseram ainda algumas palavras de circunstância o Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória e Sua Excelência o Senhor Ministro da República para os Açores.


Os vinhos brancos das duas Regiões para esta cerimónia foram devidamente apreciados pelos “escanções” da cada confraria que em breves palavras deram a conhecer os dois vinhos. Depois de concluída a mistura todos os presentes tiveram a oportunidade de degustar o resultado da união. Foi de facto um ponto alto na cerimónia. Imediatamente se encheram duas garrafas em grés vulcânico propositadamente encomendadas para este acto, ao artista da ilha Terceira, Renato Costa e Silva ficando cada confraria depositária das respectivas garrafas que contém a seguinte inscrição: “Geminação da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos com a Confraria dos Enófilos da Estremadura” e as respectivas assinaturas dos dois Grão-mestres.

Após a assinatura do auto da geminação, pelos dois Grão-mestres e pelo Ministro da república, foi lido o mesmo pelo Mestre de ritos e cerimónias da CVVB, Jácome de Bruges Bettencourt, que dirigiu brilhantemente este acontecimento.

In Revista Verdelho, órgão informativo e cultural da Confraria do Vinho de Verdelho dos Biscoitos, n.º 6 Ano 2001

segunda-feira, 18 de abril de 2011

“Depois de Ramos, na Páscoa estamos”


“No Domingo de Ramos, aparece-nos a cena da entrada solene de Jesus em Jerusalém (Mateus 21). Sol de pouca dura, pois logo a seguir vêem a narração da Paixão e Morte do Redentor (Mateus 26-27). Não sabemos quantos dos que O aclamavam na Entrada de Jerusalém viram as casacas, para se juntarem aos oportunistas da Crucifixão.” Ler mais  (in A União)

domingo, 17 de abril de 2011

“Serreta na Intimidade”


Realizou-se no passado dia 2 de Abril na Sociedade Filarmónica Recreio Serretense, o lançamento do livro “Serreta na Intimidade” da poetisa, natural daquela freguesia terceirense,  Rosa Silva (“Azoriana”)

O serão prosseguiu com a actuação da Filarmónica da Freguesia, e finalizou com a intervenção de 20 cantadores e sete  tocadores do improviso, com  Rosa Silva a fazer a abertura com uma quadra e a seguir com uma sextilha, modo seguido por todos os cantadores.

No fim da sua sextilha, Rosa Silva concedeu entrevista em directo para o programa da KIGS, "Voz dos Açores", produzido por Euclides Álvares, a partir dos estúdios em Hilmar, Califórnia, EUA, enquanto os cantadores, em rasgados elogios, completavam as suas sextilhas.(in A União)

Para a autora “Serreta na Intimidade” “foi a concretização de um sonho com sete anos, feito de rimas e da blogosfera”.


Ontem, ao fim da tarde, mais uma mão cheia de amigos e admiradores marcaram presença numa sessão de autógrafos que teve lugar na “Casa da Azoriana” (Canada dos Folhadais, 69 -Angra do Heroísmo). 

À noite Rosa Silva actuou numa cantoria que se realizou no “Retiro dos Cantadores”, na freguesia das Doze Ribeiras.


sábado, 16 de abril de 2011

Antes e Agora (3)

O anterior aqui

Angra do Heroísmo
Rua da Sé

(Ano de 1948)


sexta-feira, 15 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos (6)


Continuação do anterior

MUTE- Danças e Cantares da E.B.I.B.


CANÇÃO AO MOINHO DA NOSSA ESCOLA


Refrão


Os meninos bem junto do moinho
Observando a sua forma erguida
Vão aprender que o só o vento sozinho 
Soprando forte o moinho ganha a vida.


1.
O moinho num movimento antigo
Ia cumprindo a obrigação que tinha
E vai moendo, transformando milho e trigo
E faz do grão a preciosa farinha.


2.
O moinho nessa lenta rotação
Vê lá do alto que numa terra de vinho
As curraletas sabem que o ciclo do pão
Passa também pelas pedras do moinho.


3.
O moinho com renovada imagem
Também já é símbolo que nos pertence
Uma relíquia que embeleza a paisagem
Primeira imagem da Escola Biscoitense.




Março, 2011-04-08 


Letra: Domingos Dias
Música: Paulo de Carvalho 
- “Os meninos de Huambo”



E a comemoração do Dia Nacional dos Moinhos terminou com a actuação do Bailinho da E.B.I.B. “E se as crianças fossem governo”



quinta-feira, 14 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos (5)


Continuação do anterior

“O BISCOITINHO”  

As dinâmicas Bárbara Vieira e Miriam Homem respectivamente Directora e Sub-Directora de “O Biscoitinho” (suplemento do Diário Insular), jornal da Escola Básica e Integrada dos Biscoitos, à conversa com o Professor José Aurélio, do Conselho Directivo da mesma Escola.

"A leitura, como a comida, não alimenta, senão digerida". 

Mais provérbios aqui

Continua

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos (4)


Continuação do anterior

 Concurso de “Papas Grossas” e de “Biscoitos /Bolachas”

“Comi papas por engordar: saíram-me por ceia e por jantar”

"O  biscoito é como o namoro, também quebra"


Continua

terça-feira, 12 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos (3)

Continuação do anterior

Demonstração da cozedura de pão em forno de lenha pela Mestra Delia


“Casa onda não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”

“Nem só de pão vive o homem”

“Quem dá o pão, dá a educação”



Continua

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Lajes-Farmácia Andrade com novas instalações


Abriu ao público no passado dia 21 de Março na Vila das Lajes a Farmácia Andrade, um marco importante para a Saúde do Concelho da Praia da Vitória.

Procedeu à Bênção das novas instalações o Rev.º Padre António Pires Nunes Rocha, Pároco daquela Vila. 

Nesse dia foi servido a todos os utentes, com o bolo comemorativo, um Biscoitos de Honra.



O casal Andrade com o Presidente da Junta da Vila das Lajes






domingo, 10 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos (2)


Continuação do anterior

Demonstração do Moinho a Moer

“Para a missa e para o moinho não esperes pelo vizinho”

“Moinho parado não cobra moenda” 

“Moinho a moer não falta que comer”

“O moleiro acorda logo quando o moinho pára”

“Mal se apanha o piolho na farinha já se julga moleiro”

“Quem ao moinho vai, enfarinhado sai”

Continua


sábado, 9 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos na E.B.I. dos Biscoitos


A Escola Básica Integrada dos Biscoitos comemorou ontem, com um vasto e interessante programa, o Dia Nacional dos Moinhos. 

Cortejo Etnográfico 


Continua

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Fúria e Medo, em Azul e Negro


Fotografia rotulada de “Fúria e Medo, em Azul e Negro” por Olga Flores.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

LUSITÂNIA, CAMPEÃO INSULAR E ULTRAMARINO



Vídeo da autoria do grande lusitanista Fernando da Costa


“ALMOÇO VERDE”

Realiza-se no dia 9 de Abril (depois de amanhã) pelas 13h30, no Salão da Santa Casa da Misericórdia, em São Carlos, o 2º “Almoço Verde” do Sport Club Lusitânia.

Desafiamos assim toda a família lusitanista e todos quantos simpatizam com este clube,  a comparecerem neste “Almoço Verde”, referiu a organização.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Dia Nacional dos Moinhos


A Escola Básica Integrada dos Biscoitos comemora no próximo dia 8 Abril o Dia Nacional dos Moinhos.

PROGRAMA

09h30 – Concentração dos Centros de Convívio de Dia

10h00- Concentração dos alunos que participam no cortejo.
             -Abertura dos espaços gastronómicos e bazares.

11h00- MUTE- Danças e Cantares da E.B.I.B.


11h30- Demonstração do Moinho a Moer
          - Abertura do Atelier “Moinho a Moer”
          - Demonstração de algumas fases de cozedura de pão em forno de lenha e confecção de bolachas e biscoitos.
-Jogos tradicionais.

13h30 – Concurso de “Papas Grossas” e de “Biscoitos /Bolachas”

14h30- MUTE – Bailinho da E.B.I.B.”E se as crianças fossem governo”

15h00- Entrega de prémios dos concursos.
15h30- Encerramento


terça-feira, 5 de abril de 2011

Romeiros – “Peregrinos do Infinito” (28)


Continuação do anterior

Após cinco dias de caminhada...


A romaria do rancho do Santuário de N.ª Sr.ª da Conceição teve início na passada quarta-feira, dia 30 de Março e prolongou-se até anteontem, domingo, dia 3 de Abril.
Tudo começou com a concentração dos irmãos às 3H30 no Santuário de Nossa Senhora da Conceição que, após missa celebrada meia hora depois, rumou, no primeiro dia, até às Doze Ribeiras. No segundo dia percorreu-se toda a ilha rumo à Agualva, no terceiro dia alcançou-se o Porto Martins, na Praia da Vitória, e no quarto São Sebastião. O último de romaria foi feito em direcção ao ponto de partida, à Igreja de Nossa Senhora da Conceição onde os romeiros de despediram da 5ª edição da romaria à noite. Ler mais aqui. 

(in Jornal A União)



Romeiros – “Peregrinos do Infinito” (27)


Continuação do anterior

Angra do Heroísmo

Igreja de São Bento



Continua